Aos impetuosos e impulsivos | Tim Challies

O que Jesus vê (mesmo quando os outros não veem) | Tim Challies
30/jan/2023
Por que a adoração cristã é trinitária? | Robert Letham
13/fev/2023

Com certeza existe um tipo de personalidade com a qual todos estamos familiarizados — um tipo de personalidade impetuosa e impulsiva, propensa a agir de maneira espontânea e mal pensada. É a personalidade de Simão Pedro, que conhecemos tão bem nas páginas das Escrituras. Pedro foi um dos doze discípulos que saiu do barco para tentar andar sobre as águas, foi também o mesmo que exclamou: “não apenas meus pés, mas também minhas mãos e minha cabeça!”, foi aquele que desembainhou sua espada para proteger seu Salvador, e o mesmo que, ao vê-lo após sua ressurreição, imediatamente se jogou ao mar para nadar até a praia. Nós o amamos por seu ímpeto, sua ousadia, sua natureza desinibida.

Já refleti antes sobre como Jesus foi o primeiro a identificar alguma qualidade preciosa em Pedro, pois, assim que o conheceu, disse: “Tu és Simão, filho de João. Serás chamado Cefas (que significa Pedro)”. Pedro e Cefas significam “rocha”, o que nos diz que desde o início Jesus viu uma qualidade de robustez e firmeza neste homem. Ele entendeu que, ligadas a uma natureza impetuosa, estavam as virtudes que o estabeleceriam como um líder entre os líderes da igreja primitiva.

Certa vez li um autor que comparava essa personalidade a um rio selvagem que atravessa uma cordilheira. O rio corre rápido, mas erraticamente, feroz em seu poder e perigoso em sua selvageria. Mas um dia um colono chega a um ponto ao longo do curso do rio e vê que pode aproveitar sua energia. Assim, ele constrói um canal para conter o rio e direcioná-lo. No ponto onde a água corre mais rápido, ele constrói um moinho para gerar energia. Ele direciona parte do rio através de canais onde as águas, agora movendo-se suavemente, podem irrigar os campos e fazer com que as plantações cresçam. Ele direciona outra parte do rio para um local onde uma cidade nascerá e onde os moradores poderão beber de riachos frescos. O que antes era uma força de destruição é agora uma força para o bem e para o crescimento.

Deus, no mesmo sentido, gosta de usar personalidades impetuosas. À medida que as pessoas se arrependem de seus pecados e professam sua lealdade a Deus, ele não erradica suas personalidades como se as tivesse criado erradas em primeiro lugar ou como se não houvesse nelas algo que ele pudesse usar ou redimir. Em vez disso, ele canaliza sua personalidade, a redireciona, a domina, a aperfeiçoa. Embora Deus santifique seu povo, ele não os destrói completamente e então os recria de tal maneira que sejam todos iguais. Assim como ele usa o sábio e o simples, o grande e o pequeno, o gregário e o taciturno, ele também usa tanto o impetuoso quanto o cauteloso. Ele doma e tempera sua personalidade de tal forma que, em vez de fazer mal, faz bem e, em vez de deixar um rastro de destruição, deixa um rastro de amor e serviço. Ele pega a ousadia, a paixão, o zelo, e os direciona para seus próprios propósitos preciosos.

Leia também  Mentirinhas e outros enganos | Gregory Koukl

Então, se você tem uma personalidade parecida com a de Pedro, anime-se. Anime-se, pois, assim como Deus o usou, ele pode e vai usar você. E ele irá usá-lo não à parte de sua personalidade, mas por meio dela. Ele o criou, ele o ama e o usará.

Se você tem um filho, cônjuge ou outro ente querido que tem esse tipo de personalidade impetuosa, seja grato. Certifique-se de não presumir que essa personalidade seja de alguma forma inferior ao seu oposto. Você pode precisar insistir para que essa personalidade seja moderada por uma medida de cautela, do mesmo modo que uma personalidade cautelosa pode precisar ser temperada por uma medida de ousadia. Mas saiba que Deus usa todos os tipos de pessoas para realizar seus bons e gloriosos propósitos. Assuma a personalidade em vez de esmagá-la.

Deus se deleita em nos usar em seu serviço assim como usou Pedro. E embora ele nos molde e santifique, ele não nos destrói ao longo do caminho. Aquele que dá ousadia aos tímidos, dá paciência aos impulsivos. Aquele que dá coragem à pessoa propensa à inatividade, dá cautela à pessoa propensa à espontaneidade. Ele usa quem somos para realizar seus propósitos e abençoar o mundo.

Texto original: To the Impetuous and Impulsive. Tim Challies.

Traduzido e publicado com permissão.

Tim Challies é pastor da igreja Grace Fellowship, em Toronto, no Canadá, editor do site de resenhas Discerning Reader e cofundador da Cruciform Press. Casado com Aileen e pai de três filhos, ele também é blogueiro, web designer e autor de várias obras.
O discernimento espiritual serve para muito mais do que tomar grandes decisões de acordo com a vontade de Deus. É uma atividade essencial do dia a dia, pois permite que cristãos comprometidos separem a verdade de Deus do erro e distingam o certo do errado em todas as situações. É também um tipo de habilidade, algo que qualquer pessoa pode desenvolver e aprimorar, especialmente com a orientação deste livro.

Publicado por Vida Nova.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: