Doutrinas cristãs essenciais | Gregory Koukl

Relativismo moral: sem parâmetro para condenar os nazistas | Frank Turek
07/jun/2013
Um engano chamado teologia gay | Augustus Nicodemus Lopes
30/jul/2013

Uma lista dos elementos-chave do Cristianismo

Quais são as doutrinas essenciais da fé cristã? Podemos verificar opiniões diferentes a respeito deste assunto ao longo da história. Por exemplo, você pode encontrar um conjunto diferente de doutrinas em diferentes épocas da Igreja Católica do que você poderia a partir de uma Igreja Protestante. Na verdade, segundo eu entendo, acreditar na primazia da Igreja Católica era uma doutrina essencial em certa época. Agora, não apenas você não precisa acreditar nisso, mas você nem mesmo precisa acreditar em quaisquer das seis doutrinas a seguir alistadas para ir para o céu, de acordo com a doutrina católica. Eu indicarei o que eu acredito ser as doutrinas essenciais e apresentarei os versículos bíblicos que dão suporte a elas.

A primeira é que você deve acreditar que Ele existe e que recompensa aqueles que o buscam para que você possa agradar a Deus (Hebreus 11). É claro, porém, que não é suficiente acreditar apenas em Deus e pronto, pois o primeiro mandamento condena aqueles que têm outros deuses em vez do verdadeiro Deus. Então, a primeira doutrina essencial é que você deve acreditar em Deus como Ele é em Si mesmo. Você deve ter uma imagem precisa acerca da natureza fundamental de Deus e eu acredito que isto implique a Trindade. Você não pode negar a natureza de Deus, o Deus das Escrituras, e ainda se autodenominar cristão. Em João 4.24, Jesus diz: “Deus é espírito, e é necessário que os seus adoradores o adorem em espírito e em verdade”. É necessário. Êxodo 20:2, 3 diz: “Eu sou o Senhor, o teu Deus, que te tirou do Egito, da terra da escravidão. Não terás outros deuses além de mim”.

O Deus da Bíblia é um Deus trino, um Deus em três Pessoas. Jesus parece sugerir a necessidade disto em João 8, quando diz: “Se vocês não crerem que Eu Sou, de fato morrerão em seus pecados”. Ele pode ter pretendido dizer que você deve acreditar que “Eu sou Ele” seja uma referência ao Messias, mas parece que essa declaração é provavelmente uma referência à sua divindade, uma vez que ele utiliza o mesmo termo mais tarde e deixa uma indicação clara disto ao dizer: “Antes de Abraão existir, Eu Sou”. Você deve acreditar em Deus como Ele é em Si mesmo e que Ele é trino.

Em segundo lugar, é necessário que você creia em Jesus como Ele é em Si mesmo. Isto implica acreditar na divindade de Cristo e em Sua plena humanidade. Um motivo pelo qual posso dizer isto é porque as Escrituras fazem distinções entre o Jesus falso e o Jesus verdadeiro. Isto acontece em 2Coríntios e eu creio que Gálatas faz essa distinção também. Existem pelo menos duas passagens na Bíblia que nos alertam contra o falso Jesus. Gálatas, por exemplo, se refere ao outro evangelho.

Existe então o Jesus verdadeiro e o Jesus falso. O Jesus que é a encarnação do anjo Miguel não é o Jesus das Escrituras, mas sim o Jesus da Sociedade da Torre de Vigia. O Jesus que é o espírito irmão de Lúcifer não é o Jesus das Escrituras e que traz salvação, mas sim o Jesus do mormonismo. O Jesus que é um guru hindu não é o Jesus das Escrituras, mas sim o Jesus do movimento Nova Era. Você não pode acreditar nesses tipos de Jesus e ser salvo porque você acredita em alguém que não pode te salvar.

Existe uma questão de teologia geral na Trindade e uma questão de Cristologia.

Em terceiro lugar, você também deve acreditar na ressurreição corporal. Paulo comenta em 1Coríntios 15, “Se os mortos não ressuscitam, nem mesmo Cristo ressuscitou. E, se Cristo não ressuscitou, inútil é a fé que vocês têm, e ainda estão em seus pecados. Neste caso, também os que dormiram em Cristo estão perdidos”. Romanos 10:9 afirma claramente, “Se você confessar com a sua boca que Jesus é Senhor e crer em seu coração que Deus o ressuscitou dentre os mortos, será salvo”.

A que ressurreição Paulo está se referindo? À ressurreição corporal, não a uma ressurreição espiritual, pois a ressurreição espiritual não é uma ressurreição. Em uma ressurreição espiritual, nada é ressuscitado. Uma ressurreição acontece quando algo é revivificado, ressuscitado. É feito novamente. O corpo que uma vez estava morto agora está vivo. Pode ser que o corpo possua algumas qualidades que mudem, mas o corpo original é o corpo que é ressuscitado. Esta é a ressurreição corporal. Quando alguém fala em uma ressurreição espiritual, não é realmente uma ressurreição. Somente uma ressurreição corporal é a ressurreição verdadeira.

Em quarto lugar, você deve acreditar no estado decaído do homem e em sua culpabilidade. Esta ideia deriva da mensagem do evangelho. Romanos 3:23 diz, “pois todos pecaram e estão destituídos da glória de Deus”. A questão da salvação trata do fato de que você é perdoado porque você pecou. Se você disser que não pecou, que o homem não tem pecado e não caiu, 1João 1 afirma que você chamou Deus de mentiroso e que você ainda permanece em seus pecados. O homem é culpado. Talvez ele nem mesmo se sinta culpado de certas coisas, mas culpa não é um sentimento. A culpa é uma realidade judicial. Se dissermos que não temos pecado, então a verdade não está em nós e chamamos Deus de mentiroso. Romanos 11:32 diz que “Deus colocou todos sob a desobediência, para exercer misericórdia para com todos”. Em razão da mensagem do evangelho, se você não reconhecer a má notícia, você não pode fazer uso da boa. A má notícia é que nós pecamos e somos culpados perante Deus.

Em quinto lugar, a salvação se dá pela graça, através da fé. Você deve crer na expiação substitutiva. Romanos 11:6 diz: “E, se é pela graça, já não é mais pelas obras; se fosse, a graça já não seria graça.” “A obra de Deus é esta: crer naquele que Ele enviou”, disse Jesus em João 6. Somos salvos pela graça através da fé pela expiação substitutiva de Jesus Cristo. Há um bom número de versículos que ressaltam a ideia de que Jesus é o único caminho. Estes provavelmente são os mais substanciais.

Leia também  Uma serpente falante? | Gregory Koukl

Estes são os cinco pontos doutrinários comuns que você se depara em uma lista: a Trindade, a divindade e humanidade de Cristo, a ressurreição corporal e a salvação pela graça através da fé.

Às vezes, as pessoas adicionam ideias às Escrituras. Você precisa crer que a Bíblia é inspirada. Esta não é, contudo, uma doutrina essencial, embora eu considere que a autoridade das Escrituras seja uma necessidade funcional, pois sem ela nenhuma das outras verdades pode ser afirmada com confiança. Uma vez que você abra mão da autoridade das Escrituras, as outras verdades vão caindo uma por uma como dominós. Eu incluí o estado decaído do homem e sua culpabilidade como ponto essencial porque parece ser um qualificador necessário para o evangelho, muito embora muitos não incluam este ponto em outras listas.

Irei apresentar outra doutrina essencial que as Escrituras deixam muito, muito claro e que eu nunca vi sendo incluída em uma lista. Você deve crer que Jesus é o Messias. Se você repudia essa ideia, você não pode ser salvo. À propósito, sempre que a palavra “Cristo” aparece no Novo Testamento, é simplesmente a tradução grega da palavra hebraica meshiac. Cristo é a palavra grega para Messias. Quando a Bíblia diz “Jesus Cristo”, significa Jesus, o Messias. Sempre que ela diz Jesus Cristo – à propósito, Cristo não é o sobrenome de Jesus, este é o seu título –, significa Messias. 1João 2:22 diz: “Quem é o mentiroso, senão aquele que nega que Jesus é o Cristo? Este é o anticristo: aquele que nega o Pai e o Filho. Todo aquele que nega o Filho também não tem o Pai; quem confessa publicamente o Filho tem também o Pai.” Este versículo é muito claro. 1João 4:2 diz: “Vocês podem reconhecer o Espírito de Deus deste modo: todo espírito que confessa que Jesus Cristo veio em carne procede de Deus; mas todo espírito que não confessa a Jesus não procede de Deus. Esse é o espírito do anticristo, acerca do qual vocês ouviram que está vindo, e agora já está no mundo.” 2João 1.7 diz: “De fato, muitos enganadores têm saído pelo mundo, os quais não confessam que Jesus Cristo veio em corpo. Tal é o enganador e o anticristo.”

As Escrituras não apresentam palavras gentis para pessoas que repudiam a Cristo como Messias. Uma conclusão muito dura pode ser tirada disto. O Novo Testamento ensina que os judeus que repudiam a Jesus como Messias não possuem, em última instância, um amor pelo Pai. Esta não é uma opinião minha. Esta é a opinião do apóstolo João e é também a opinião de Jesus Cristo. “Você Me rejeitou, pois o amor do Pai não está em você”. Estas são palavras duras.

Alguém poderia dizer: “Como você pode dizer tal coisa a respeito dos judeus? Você não conhece todos os judeus.” Não, eu não conheço, mas Deus conhece. Esta não é minha opinião. Para ser honesto com você, este ensinamento em particular não me agrada. Se coubesse a mim, eu o mudaria. Mas isto não compete a mim. Não é a minha opinião. Eu não gosto deste ensinamento, mas ele existe. É a opinião de Deus. E, se acreditamos que a Bíblia é a revelação de Deus na questão de salvação, então não podemos ao mesmo tempo reconhecer que boas pessoas que são judias, mas rejeitam a Jesus como Messias, irão para o céu. Isto não está na Bíblia. Se dissermos isto, estamos dizendo algo que é contrário ao ensinamento bíblico. A Bíblia deixa claro que acreditar em Jesus como Messias é uma doutrina essencial.

As seis doutrinas essenciais seriam: a Trindade, a divindade e humanidade de Cristo, a ressurreição corporal, a queda e culpa do homem, a salvação pela graça através da fé na expiação substitutiva de Jesus Cristo, e a crença de que Jesus é o Messias. E temos uma sétima doutrina que me ocorre como uma necessidade funcional, que é a autoridade final das Escrituras, sem a qual nenhuma destas outras verdades pode ser afirmada ou declarada com confiança.

À propósito, é realmente importante que as pessoas conheçam estas doutrinas, pois muitos cristãos são gentis e acabam sendo muito cuidadosos em estabelecer distinções entre verdade e falsidade. Isto por que eles não querem discordar. Eu compreendo isto. Mas se você realmente fosse gentil, então você seria honesto e direto com as pessoas a respeito das exigências do evangelho em suas vidas. A exigência do evangelho é que você creia que certas coisas são verdadeiras. Não se trata apenas de meras crenças, como se fossem apenas alguns detalhes incidentais da teologia sobre os quais pode acontecer de você estar enganado. E, se acontecer de você estar errado a respeito delas, por que você deveria ir para o inferno por causa disto?

Você não vai para o inferno simplesmente porque aconteceu de você se enganar a respeito de uma doutrina. Você vai para o inferno porque violou a lei de Deus. É extremamente importante que você entenda isto. Deus julga apenas pessoas culpadas. As pessoas são julgadas por Deus não porque elas bagunçam a sua teologia, mas porque elas são culpadas. As pessoas que são culpadas são condenadas. É isto. Existe uma maneira de contornar isto, mas você tem que saber algumas coisas específicas que são verdadeiras antes de você usufruir o perdão que Deus oferece. É aí que as doutrinas essenciais entram.

Traduzido por Jonathan Silveira.

Texto original aqui.

Gregory Koukl obteve seu mestrado em filosofia da religião e ética na Talbot School of Theology e seu mestrado em apologética cristã na Simon Greenleaf University. É professor adjunto de apologética cristã na Biola University. Tem apresentado seu próprio programa de rádio por 20 anos, onde defende a cosmovisão cristã.

1 Comments

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: