Paternidade cristã intencional em uma era artificialmente inteligente | Jessica Prol Smith

A necessidade teológica de proclamar Jesus a partir do Antigo Testamento | David King
10/abr/2023
“Inquietude” criatural ao longo das Confissões | Gavin Ortlund
12/maio/2023

Vivemos em um mundo tecnologicamente admirável e novo. É difícil argumentar o contrário se você tem idade suficiente para se lembrar de como era antes de ser possível utilizar os mesmos dispositivos portáteis para comprar mantimentos, ouvir música, postar fotos, tweetar gifs ou usar o FaceTime com nossos pais.

A mudança não é nova (veja Eclesiastes 1.19) e os desafios das inovações tecnológicas deste ano não são totalmente exclusivos. Mas o ritmo é desorientador e os especialistas em tecnologia estão divulgando publicamente suas preocupações — principalmente sobre o uso convencional da inteligência artificial. Não vou analisar todas as maneiras pelas quais a tecnologia melhorou e degradou nossas vidas, mas posso sugerir maneiras pelas quais os pais cristãos podem orientar seus próprios filhos (e outras crianças sob seus cuidados) para lidar bem com as mudanças. Para esta conversa, vou me concentrar em nosso uso diário da tecnologia de comunicação e usar a recente explosão de IA generativa como meu principal exemplo.

O que é IA generativa?

A menos que você tenha evitado as notícias ou as mídias sociais, provavelmente já ouviu falar do ChatGPT (ou dos concorrentes, Bing Chat e Bard). Em uma definição simples, a inteligência artificial generativa é a “tecnologia que pode produzir vários tipos de conteúdo, incluindo texto, imagens, áudio e dados sintéticos”. Até alguns meses atrás, o uso diário de IA generativa parecia coisa de desenvolvedores de tecnologia sonhadores e de filmes de ficção científica. Mas isso vem sido desenvolvido há muito tempo (veja a história fascinante dessa inovação aqui). E, a menos que algo monumental mude, a IA generativa não vai desaparecer.

Enquanto refletia sobre esse assunto, solicitei ao ChatGPT que me ajudasse a escrever uma carta para meus filhos. Em segundos, o chatbot removeu abruptamente o fardo de encontrar as palavras certas. Ele me ofereceu uma mistura de frases banais e formais que um pai humano poderia usar para dizer coisas agradáveis a outros seres humanos. Fiquei impressionada com a velocidade. Fiquei cautelosa e desconfortável com a maneira desarticulada como ele adivinhou meus motivos e significado. Permaneço confiante de que essa ferramenta não pode substituir meu papel como mãe comunicativa.

Mas, à medida que as pessoas levantam hipóteses e se agitam com a explosão da IA ​​generativa e seu potencial para substituir relacionamentos e tarefas humanas, o que eu quero que meus filhos comecem a entender sobre essas ferramentas? Como meu marido e eu podemos orientar e preparar seus corações e mentes para este próximo capítulo de nosso mundo tecnologicamente admirável e novo? Ofereço seis diretrizes:

1. Respeite a inovação e o brilhantismo humanos que nos trouxeram até aqui.

Este é provavelmente o ponto mais generoso e otimista que oferecerei, mas acho que merece um minuto de atenção. É fácil ignorar as décadas (apoiadas por séculos) de estudo, pesquisa, tentativa e erro que levaram às ferramentas engenhosas e potencialmente perigosas ao nosso alcance. Sou sóbria ao considerar que essas ferramentas podem um dia se tornar uma barreira para a busca da verdade, relacionamentos significativos ou emprego remunerado. Mas também sou grata por viver em um período da história em que temos fácil acesso às descobertas e deliberações de tantos humanos.

A inteligência artificial é, de fato, artificial. Mas imita a inteligência natural — os códigos, poemas, ensaios e opiniões — de seres humanos reais, portadores da imagem do Deus vivo e criador. Independentemente de qual seja minha postura final em relação a essas novas ferramentas, reconheço a graça comum que é tecida ao longo do desenvolvimento e uso dessa tecnologia. Mesmo protegendo meus filhos, evito o simples luxo de descartar a IA generativa (e ferramentas semelhantes) como puros males a serem evitados.

2. Recuse-se a confundir conhecimento com sabedoria. 

Você se lembra de ter visto a frase “Conhecimento é poder” fixada no quadro de avisos de uma escola ou colada na parede de uma biblioteca? A IA generativa fornece acesso quase instantâneo a uma vasta coleção de dados. Com uma mistura apreensiva de otimismo e medo, somos informados de que essas ferramentas vão “mudar o mundo” e estão “reformulando a forma como acessamos informações online”. Isso provavelmente é verdade. E em uma cultura obcecada com o uso e abuso do “poder”, a conversa é especialmente tensa. Os relatos generalizados de desinformação e vieses (de vários lados do espectro teológico) não tornam as coisas mais simples.

Mas devemos ampliar nossa perspectiva e lidar com o fato de como a internet tem moldado nossas mentes há décadas e mudado a maneira como pensamos. Em seu livro, The Shallows (publicado em 2011), Nicholas Carr defende que “as conexões da Web não são nossas conexões — e não importa quantas horas passemos pesquisando e navegando, elas nunca se tornarão nossas conexões. Quando terceirizamos uma memória para uma máquina, também terceirizamos uma parte muito importante de nosso intelecto e até de nossa identidade” (p. 195). Carr sugere que a internet, de fato, “redireciona nossos caminhos vitais e diminui nossa capacidade de contemplação, está alterando a profundidade de nossas emoções e também de nossos pensamentos” (p. 221). O ChatGPT e seus primos de IA agora adicionam uma camada humanoide a todo o projeto, acalmando ainda mais nossas mentes em uma fragmentação complacente se não formos cuidadosos.

O American Heritage Dictionary define “sabedoria” como “a capacidade de discernir ou julgar o que é verdadeiro, certo ou duradouro; entendimento”. E o livro de Provérbios, obviamente, tem muito mais a dizer sobre o assunto. Com as Escrituras, a oração, a comunidade cristã e a ajuda de pensadores sábios ao longo dos séculos, meu marido e eu oramos e trabalhamos para que nossos filhos valorizem a sabedoria, e não um mero conjunto superficial de ideias e factoides.

3. Envolva-se com o mundo natural e limite o tempo de tela. 

De certa forma, cultivamos a sabedoria tocando (provando, cultivando e chutando… etc.) o mundo natural. Depois de passar grande parte de nossas vidas adultas na área metropolitana de Washington, DC, meu marido e eu nos mudamos para uma colina tranquila a oeste de Maryland. Nossos filhos estão começando a aprender em primeira mão que os ovos vêm de galinhas exuberantes, os tomates vêm de um jardim lamacento e as farpas vêm ao se escorregar em um deck velho. Muitas outras pessoas identificaram os benefícios da atividade física e da imersão na criação de Deus para nutrir jovens curiosos e conectados com a realidade.

Leia também  Cosmovisões materiais: por que precisamos ir além das disciplinas teóricas | Fernando Pasquini Santos

Não quero dar uma lição de moral sobre esse ponto. O cansaço parental de ser mãe de duas crianças é mais difícil do que eu teria previsto. Com o tempo, me tornei mais solidária com os pais que colocam iPads na frente de seus filhos para conseguirem uma ida tranquila ao supermercado ou uma conversa adulta em um restaurante. Mas escolhemos ser pais de maneira diferente. Permitimos que nossos filhos assistam um pouco de TV, mas optamos por limitar o tempo de tela em favor do caminho mais difícil (e esperamos que mais gratificante) de brincadeiras não estruturadas e ajuda com tarefas simples e exploração da ordem criada não mediada. Escolhemos este caminho com base em princípios, isto é, na realidade de que somos espíritos corporificados em um mundo extraordinariamente complexo. Mas também há uma pitada de pragmatismo; estamos ajudando nossos pequeninos a desenvolver habilidades práticas, resolução criativa de problemas e memória para competir com as ferramentas artificiais que um dia poderão disputar seus empregos.

4. Pratique a empatia e promova a amizade.

Quando você pergunta ao ChatGPT sobre suas deficiências, ele apresenta uma lista organizada de coisas que os seres humanos perceberam como suas lacunas: “falta de bom senso, criatividade limitada, falta de inteligência emocional e consciência limitada do contexto”. Resumindo, a ferramenta artificial não faz um bom trabalho como ser humano. A imitação provavelmente se tornará mais sofisticada, mas o chatbot nunca poderá rivalizar ou substituir a interação com outro portador da imagem do Deus vivo.

Já existe um ponto fraco estranho e trágico em todo o experimento de IA. Chatbots que se envolvem em conversas eróticas. Há também um caso de um chatbot que parece ter encorajado um suicídio. É o material dos filmes que ganha vida (o filme levemente futurista Ela vem à mente). Diante da solidão e do tédio, muitos de nossos vizinhos — e talvez alguns de nós — passaram a preencher nosso tempo com falsas amizades.

Como posso ajudar meus filhos a evitar essas armadilhas? Cultivando e modelando empatia e amizade. Na prática, isso significa exercer hospitalidade para com a vizinha viúva solitária e faladeira. Significa oferecer um sorriso gentil para o sem-teto que resmunga e caminha arrastando os pés. Significa desafiar meu filho de três anos a fazer contato visual e cumprimentar com confiança um adulto, mesmo que ele tenha herdado a autoconsciência de sua mãe.

5. Cultive os frutos do Espírito.

Como mãe cristã, tenho plena consciência de que não posso criar meus preciosos filhos no reino dos céus. Mas ao segurar suas mãos e levá-los diante das boas novas do evangelho, também tenho o privilégio e o desafio de modelar os frutos do Espírito. E quando o faço, estou convidando-os a experimentar uma vida verdadeiramente humana e não artificial.

O amor me desafiará a aceitar as ineficiências e limitações desta fase da vida. A alegria não permitirá que eu me entorpeça com uma atividade sem sentido de rolagem de tela. A paz provavelmente me levará a esconder meu telefone por algumas horas seguidas. A paciência me permitirá ler o mesmo livro novamente e olhar com desconfiança para um bot de IA que produz conteúdo sem um minuto de reflexão. Eu poderia continuar. Mas o desafio de Paulo aos gálatas ainda encontra relevância mesmo em uma época em que nossos senhores da IA ​​ameaçam virar tudo de cabeça para baixo.

6. Lide com a brevidade desta vida. 

Uma das questões que os especialistas levantam em sua carta aberta pedindo uma pausa nos experimentos de IA é: devemos “arriscar a perda de controle de nossa civilização?”

Fiquei impressionada com a suposição. Será que alguma vez realmente estivemos no controle de nossa civilização? Todo o meu ensaio é baseado na suposição de que existem escolhas que nós, seres humanos, podemos fazer para refletir nosso Deus de maneira mais eficaz durante uma época estranha e tumultuada. Mas somos personagens bastante pequenos em uma história muito maior. As Escrituras estão repletas de poesia sobre a brevidade de nossas vidas aqui, que são como vapor.

Mesmo que nossos piores temores sobre a IA se concretizem, temos a oportunidade de virar a página deste capítulo e ver nosso Senhor face a face. Não há nada de artificial nisso.

Traduzido e publicado com permissão.

Texto original: Intentional Christian Parenting in an Artificially Intelligent Age. American Reformer.

Jessica Prol Smith é uma escritora com 15 anos de experiência em política pública em Washington, DC, e no Capitólio. Seu trabalho foi publicado no USA Today, The Christian Post, The Washington Times e outros. Ela mora nas colinas de Cumberland, MD, com sua família. Você pode segui-la no Twitter em @JessicaProl.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: