Falando sobre aborto | Lucas Sabatier

A teoria da evolução nos leva a acreditar em um Deus preguiçoso? | Denis Alexander
04/set/2015
Cinco princípios da nova moral sexual | Alastair Roberts
18/set/2015

É incrível como as discussões sociais que acontecem aqui nos EUA chegam tão rapidamente no Brasil. Mas, surpreendentemente, a mídia brasileira não tem se pronunciado a respeito dos escândalos envolvendo a principal clínica de abortos em solo americano. Aqui vai uma breve explicação do que está ocorrendo.

O aborto foi legalizado pela Suprema Corte americana em 1973, no caso Roe vs Wade. Desde então, mais de 58 milhões de abortos foram executados. A grande maioria motivada por mera conveniência – menos de 1% referentes a estupro ou incesto.

Alguns investigadores particulares gravaram entrevistas de negócios e atendimentos nas clínicas ligadas à Planned Parenthood (Parentesco Planejado), instituição financiada pelo governo americano e a que mais efetua abortos nos EUA. As gravações revelam uma realidade terrível. Em contratos com laboratórios de pesquisa, a PP vende o que chamam de “espécimes” por um preço que varia de $30 a $100. “Espécime” nada mais é do que determinado órgão do bebê, como rins, fígados, etc. Essa venda de tecidos fetais é ilegal.

Outras horrendas ilegalidades que os vídeos revelam são o incentivo ao aborto, mesmo que isso implique mentir perante o Judiciário, e a execução de “abortos” pós-parto. Isso mesmo! Por vezes, por conta dos procedimentos iniciais de aborto, o bebê “sai intacto” (ou seja, nasce) e depois é “abortado”.

Essas são algumas das tristes situações reveladas nessa investigação. Particularmente, creio que não interessa para a mídia brasileira revelar as drásticas consequências de uma eventual aprovação do aborto em solo nacional. Isso atrapalharia a agenda liberal (e os propósitos do inimigo).

A Igreja americana tem se manifestado publicamente em protestos por todo o país, pedindo a retirada do financiamento público da PP. Além disso, os crentes têm, de certa forma, pressionado a cultura (algo inédito para mim) através de ampla argumentação (bíblica) contra o aborto. A igualdade do valor das vidas de mãe e filho(a) baseada no fato de ambos refletirem a imagem de Deus tem tomado o centro da discussão. Afinal, o nazismo provou o fim que leva defender que uma vida vale mais que outra (só esse ano no mundo foram praticados 26 milhões de abortos, enquanto o holocausto envolveu a morte de 6 milhões de judeus).

Leia também  Fisiofóbico: O homem moderno contra a realidade | Anthony Esolen

Esse é um breve desabafo de um pai, cuja filha tem apenas vinte semanas e ainda mora “na barriga da mamãe”. Vinte semanas! Se quisesse, ainda teria o direito de abortar. Mas ela é um ser humano como qualquer outro. Ela se move, chuta, reage à dor, músicas e sons, chupa o dedo…

Espero que essas notícias cheguem no Brasil. Enquanto não chegam, você que fala inglês pode acessar o conteúdo no Youtube (www.youtube.com/user/centerformedprogress) e ajudar a igreja brasileira a rebater as tendências políticas e sociais com relação ao aborto.

12380274_10154376413173362_126627170_nLucas Sabatier é casado com Isabella e mora em Lafayette-IN, EUA, onde atualmente cursa o programa de mestrado em divindade no Faith Bible Seminary. Advogado formado pela PUC-SP em 2009.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: