O que Ultron não entendeu sobre Deus e o homem | Jairo Namnún

Cristãos de esquerda | Guilherme de Carvalho
03/jun/2015
Divertida Mente – Liberdade para ser triste | Silas Chosen
01/jul/2015

Humanos são criaturas complicadas e problemáticas. Somos capazes de, ocasionalmente, realizar incríveis atos de bondade e, mesmo assim, é mais provável que realizemos maldades ou injustiças. Considerando toda a corrupção que a humanidade trouxe a esse planeta, nós deveríamos considerar se sequer mereceríamos existir. Essas são algumas das questões levantadas, em meio ao humor, ação e heroísmo, do filme Vingadores: A Era de Ultron.

Em A Era de Ultron, Capitão América e seu time de improváveis super-heróis unem-se novamente para enfrentar um novo vilão, Ultron. Um robô senciente involuntariamente criado por Tony Stark e Bruce Banner, Ultron, numa versão estilosa do Pinóquio, busca libertar-se de seu criador. Mas diferentemente do garoto de madeira, Ultron busca não só livrar-se de seu criador, mas de toda a raça humana.

Paz na Terra pelo Extermínio

Ultron é o filho dos temores de Tony Stark. Temendo não ser capaz de proteger seu planeta natal para sempre, Stark projetou Ultron como um programa de inteligência artificial capaz de trazer paz à Terra. Entretanto, não demorou muito para Ultron concluir que a causa das guerras, problemas e sofrimento repousam não fora do homem, mas em seu interior.

Assim como Deus usou um dilúvio para destruir a humanidade na história de Noé, Ultron decide que ele também será o instrumento de Deus para trazer a extinção da humanidade.

Ultron não está necessariamente errado no seu diagnóstico da humanidade. Guerra e pecado são práticas habituais dos homens, e uma das razões pelas quais Deus amaldiçoou nosso planeta (Gênesis 3:17-19). O pecado manifesta-se poderosamente em cada relacionamento humano e conduz ao sofrimento e morte, mesmo para nossos próprios descendentes (Gênesis 4)

Mesmo que esteja correto em sua avaliação, Ultron erra sobre a solução. Ele pensa sobre si mesmo como instrumento de Deus, mas falha em compreender o caráter do Senhor. Deus é um santo juiz, e seria justo punindo toda a humanidade por seu pecado. Mas, ao invés de buscar satisfação em nossa destruição, Deus se agrada em salvar. “Teria eu algum prazer na morte do ímpio?, palavra do Soberano Senhor. Pelo contrário, acaso não me agrada vê-lo desviar-se dos seus caminhos e viver?” (Ezequiel 18:23).

Quando Adão e Eva pecaram, Deus não apenas os removeu do Jardim do Éden, mas os vestiu para protegê-los da sua nudez (Gênesis 3:21). Quando Deus decidiu enviar o dilúvio, Ele não só poupou os animais, mas Noé e sua família (Gênesis 6:8). Nosso Deus proveu salvação e libertação aos hebreus do Egito e então forneceu um escape para o Seu povo de Sua santa ira através da lei e dos sacrifícios. E para nós, nascidos após o evento mais importante da história, nosso Deus provê a salvação através do Filho, para todo aquele que crê. (João 3:16). Salmos 68:20 afirma corretamente: “Nosso Deus é um Deus que salva!”.

A mente de Ultron, recém-nascida dos temores de um homem, é pequena demais para entender o prazer de Deus na salvação. Mesmo assim o robô senciente é muito parecido conosco. Através do profeta Jonas, Deus mostra a tendência humana de desejar justiça para os outros e graça para nós mesmos. Mesmo que não estejamos prontos para admitir, nós, como Jonas, estamos ávidos por justiça e retribuição para aqueles que pecaram contra nós – mesmo estando Deus nos salvando consistentemente pela graça. Nós amamos a graça – quando ela é estendida a nós; nós a amamos menos quando é estendida aos outros. Estamos prontos para aceitar um sacrifício feito por nós, mas lentos em fazer um sacrifício por outros.

Leia também  Valores transcendentais em Vingadores: Ultimato | Luiz Adriano Borges

Vingadores como Salvadores

Neste último filme, os Vingadores opõem-se não somente a Ultron, mas também à sua filosofia. Diferentemente do vilão, eles expõem suas vidas para salvar todas as outras possíveis. Capitão América, Thor, Gavião-Arqueiro, e mesmo Tony Stark, consideram suas ações pelas possíveis consequências que elas terão sobre outros seres humanos. Ambos os lados almejam a paz, mas o que Ultron busca destruindo, os Vingadores encontram salvando. Eles sentem uma verdadeira responsabilidade por cada indivíduo e acreditam que a vida de uma única pessoa vale o sacrifício do grupo todo. Mais do que Vingadores, eles agem como salvadores.

E isso é o que mais me agradou nos Vingadores: sua paixão ardente por salvar outros. A imagem de Deus no homem nos faz incrivelmente dignos. Nós levamos bondade e amor mesmo ao pior dos homens. Ninguém é merecedor da graça, é óbvio, ou então não seria graça. Mas o nosso chamado é para o amor, e o exemplo foi dado por nosso Senhor. Para salvar a humanidade da ira de Ultron, os Vingadores lutaram e sofreram. Mas para nos salvar dos nossos pecados, Deus teve que morrer. E Ele se ergueu novamente. Esse é o tipo de boa nova que eu quero proclamar.

Você se juntaria a mim em oração por um coração que chora pelo sofrimento dos outros? Um coração que não condena os outros porque eles merecem, mas que sente o peso da sua perdição e pensa: Eles são pecadores como eu! Eles irão enfrentar um Deus santo e justo, e eles não têm a Cristo!

Que nós não simplesmente busquemos justiça, mas um coração renovado que abunda em graça.

Traduzido por Bruno Mori Porreca e revisado por Jonathan Silveira.

Texto original aqui.

​Jairo serve como diretor editorial do ministério Gospel Coalition em espanhol e é responsável em projetar e supervisionar o conteúdo do ministério. Serviu na Igreja Batista Internacional na República Dominicana até se mudar para Louisville, Kentucky, para realizar seu mestrado em divindade no Southern Baptist Theological Seminary. É casado com Patricia.

2 Comments

  1. Henrique Gomes disse:

    E quem escreveu a Gênese? Foi traduzida de quantas línguas? O qui é Deus? O que é ser humano? O que é ruim ou bom? O que é pecado? O que é justo ou justiça?
    Pequeninos enganados por palavrinhas e contos de fadas de um livro feito por religiosos e religiões manipuladoras. Não, não sou ateu! Acredito em Deus como uma força criadora de todas as coisas. Contos de fadas qualquer pessoa pode escrever. NOÉ, DILUVIO, ARCA, ADÃO, EVA, SERPENTE. BLA BLA BLA BLAAAAAAAA. ACORDEM CRIATURINHAS INFANTIS.

  2. esse comentário foi deveras engraçado meu amigo
    ainda bem que voce entendeu completamente a objetividade desse artigo e conseguiu passar a sua opinião extremamente construtiva de forma clara, pacífica e objetiva, voce deve ser uma pessoa muito alegre não é mesmo? e so pra esclarecer, genesis foi escrito por um ser humano igualzinho a voce, a diferença é que ele foi instruido adequadamente, que ao julgar pelas suas palavras, foi uma coisa que faltou em voce

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: