Quando seguimos os planos de Deus | Tim Challies

Por que a eclesiologia é tão importante | Michael Goheen
31/ago/2023
Causas da tristeza e sinais da depressão | Richard Baxter
15/set/2023

Quando eu era criança, os mapas em minha Bíblia me ajudaram em muitos sermões. Raramente me interessava ouvir o pregador, então eu virava as páginas finais da Bíblia para estudar os mapas ali. Eu observava as formas das terras do Oriente Médio. Eu observava como Abraão havia obedecido a Deus e deixado sua terra, sua parentela e a casa de seu pai para viajar para a terra que Deus lhe mostraria. Eu estudava o mundo antigo como os Patriarcas o conheciam. O melhor de tudo, eu via como Deus miraculosamente libertou seu povo de seu longo cativeiro no Egito.

Assim como praticamente todas as Bíblias, a minha tinha um mapa que traçava a rota que os israelitas seguiram depois de escaparem do Egito e começarem a caminhar em direção à Terra Prometida. O mapa tinha uma linha em azul que começava no Egito e então seguia para o sul por um tempo em direção à parte inferior da Península do Sinai. Eventualmente, ela se curvava para o norte por um curto período antes de se inclinar para o sul novamente. Então, finalmente, virava permanentemente para o norte e indicava o caminho para Jericó antes de terminar nas margens do Jordão.

A rota seguida pelos israelitas está longe de ser reta e dificilmente parece eficiente. Em vez de seguir uma abordagem direta que levasse diretamente do Egito a Canaã, a rota parece vagar e sinuosa, virar para cá e para lá, progredir por um tempo e depois estagnar. Seria fácil olhar para um mapa assim e supor que ele mostra confusão ou indecisão, falta de planejamento e falta de liderança forte.

No entanto, sabemos que o tempo todo as pessoas estavam seguindo as diretrizes do Senhor. Ele era quem lhes dizia quando seguir em frente e quando se estabelecer, quando ir em linha reta e quando virar para a esquerda ou para a direita. Foi sob a direção dele que atravessaram este rio ou se afastaram daquele mar, obedecendo ao seu comando que se aproximaram desta montanha ou evitaram aquela planície. E se esse for o caso, então o mapa não vagava e não seguia um curso indeciso de forma alguma, e não mostrava verdadeira confusão ou indecisão. Pelo contrário, o mapa no final das nossas Bíblias mostra o plano considerado e bem pensado de Deus, a rota que existia em sua mente muito antes de chamar seu povo para segui-la. Cada passo deles era deliberado e cada movimento tinha significado, pois tudo era o cumprimento da boa e perfeita vontade de Deus.

Leia também  Natal: Operação Resgate | Lucas Sabatier

Há momentos em que faz bem pensarmos em nossas próprias vidas e imaginá-las quase como um mapa, um mapa que traça nossa jornada desde o nascimento até onde estamos hoje. E ao olharmos para nossas vidas até agora, podemos ver como passamos por certos tipos de dificuldades e evitamos muitas outras, como escalamos algumas montanhas de alegria, mas contornamos outras. Podemos ver como viramos desta maneira em direção ao sucesso e daquela maneira em direção ao fracasso. Nosso caminho nesta vida tem sido sinuoso e tortuoso, raramente perfeitamente reto e raramente evitando todas as dificuldades e todos os trechos de deserto.

E assim como Deus estava liderando os israelitas em sua jornada, podemos ter toda a confiança de que ele têm nos liderado na nossa. Assim como cada reviravolta que eles deram estava dentro da sábia providência de Deus, o mesmo acontece com cada passo que demos para a frente e cada passo que demos para trás. Ele planejou que nos aproximássemos de montanhas e vales, rios e mares, e os usou todos para seus bons propósitos. E, assim como ele prometeu que seu povo chegaria em segurança ao final de sua jornada, ele prometeu que chegaremos à nossa. Pois, como eles, ele nos está conduzindo à Terra Prometida, a terra da paz, a terra do descanso, a terra onde realmente desejamos estar.

Texto original: When We Follow God’s Plan. Tim Challies.

Tim Challies é pastor da igreja Grace Fellowship, em Toronto, no Canadá, editor do site de resenhas Discerning Reader e cofundador da Cruciform Press. Casado com Aileen e pai de três filhos, ele também é blogueiro, web designer e autor de várias obras.
O discernimento espiritual serve para muito mais do que tomar grandes decisões de acordo com a vontade de Deus. É uma atividade essencial do dia a dia, pois permite que cristãos comprometidos separem a verdade de Deus do erro e distingam o certo do errado em todas as situações. É também um tipo de habilidade, algo que qualquer pessoa pode desenvolver e aprimorar, especialmente com a orientação deste livro.

Publicado por Vida Nova.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: