A centralidade da Escritura | Franklin Ferreira

Entrevista com Christopher Ash
31/maio/2024
Perguntas e respostas sobre Saúde Mental com Steve Midgley
07/jun/2024

Se as Escrituras são verdadeiras e inspiradas por Deus e se Jesus disse que não podem errar, precisamos reconhecê-las como o fundamento sobre o qual a igreja é constituída.

O apóstolo Paulo diz que Deus “…designou uns como apóstolos, outros como profetas, outros como evangelistas, e ainda outros como pastores e mestres” (Ef 4.11). Alguns interpretam esse texto sugerindo que Deus estaria constituindo cinco ministérios diferentes para servir a igreja, mas não é isso que Paulo ensina nessa passagem. Essa interpretação não trata adequadamente do que o versículo registra, nem do próprio contexto em que ele está inserido. Primeiramente, pastores e mestres devem ser tratados como uma única categoria, a de “pastores-mestres”; portanto, não existem cinco ministérios ou dons, mas apenas quatro. Além disso, no contexto maior da Carta aos Efésios, Paulo já havia afirmado que somos “edificados sobre o fundamento dos apóstolos e dos profetas, sendo o próprio Cristo Jesus a principal pedra de esquina” (Ef 2.20).[1]

Tendo em mente que os termos “profeta” e “apóstolo” já haviam sido empregados na carta, fica claro o ensino de Paulo de que a base que sustenta a igreja é a mensagem dada aos profetas e apóstolos. Ele confirma isso mais adiante, ao mencionar o seguinte: “… o mistério que em outras gerações não foi manifestado aos homens, da forma como se revelou agora no Espírito aos seus santos apóstolos e profetas” (Ef 3.5).

Mas, afinal, o que Paulo quer dizer ao afirmar que Deus “…designou uns como apóstolos, outros como profetas, outros como evangelistas, e ainda outros como pastores e mestres”? É simples: que o fundamento da igreja é a mensagem conforme contida no que os apóstolos e profetas registraram. E essa mensagem chega a nós hoje por meio de evangelistas e pastores-mestres. São esses os encarregados de transmitir a nós a palavra dos apóstolos e profetas.[2]

O fundamento da igreja cristã nada mais é, portanto, do que a mensagem contida nos escritos apostólicos e proféticos. Esses são os fundamentos da igreja, e isso não quer dizer que Deus esteja “levantando” apóstolos e profetas na atualidade; quer dizer, antes, que a mensagem dada no passado serve de alicerce para a comunidade cristã até os dias de hoje. Essa mensagem é a base sobre a qual a igreja se assenta, e quem a atualiza para nós são evangelistas e pastores- -mestres. Há uma correspondência entre apóstolos e profetas e entre evangelistas e pastores-mestres. São estes últimos que trazem a mensagem apostólica e profética sobre a qual a igreja se estrutura.

Desse modo, se a Escritura exerce tão importante papel, ela deve ser central para nós. Devemos lembrar ainda que a Escritura e o Espírito caminham lado a lado, e não precisamos colocar um contra o outro. Paulo ensinou que a Palavra de Deus é “a espada do Espírito” (Ef 6.17), ou seja, o Espírito usa a Escritura como arma, com a qual lutamos contra aqueles que atacam a igreja.

Entretanto, precisamos destacar que a Escritura é essencial para nossa fé, pois é ela que fundamenta tudo o que fazemos na igreja — culto, pregação, ensino, oração etc. —, porém, não podemos esquecer que é o Espírito Santo que a toma e a usa com poder em nosso meio.

O Espírito ilumina nossa leitura das Escrituras, mas nenhum de nós é inspirado — somente os autores bíblicos, os profetas e apóstolos, receberam essa graça. O que experimentamos na atualidade quando descobrimos uma verdade na Bíblia ocorre graças à iluminação do Espírito que nos permite entender e aplicar a Escritura a nós e ao povo de Deus. Expressando essa verdade de maneira concisa, podemos dizer que o Espírito Santo nos ilumina para que sejamos dirigidos pela voz de Deus na Sagrada Escritura.

É por isso que, sempre que nos dirigimos à Bíblia no intuito de lê-la e interpretá-la, devemos fazer uma oração simples, singela, para que o Espírito Santo venha com poder e nos ilumine aquela passagem, mostrando-nos tanto o que ela quis dizer no passado quanto a melhor maneira de aplicá-la ao nosso coração e às pessoas ao nosso redor. A interpretação da Sagrada Escritura precisa ser feita em dependência do Espírito Santo.

 

A centralidade bíblica na prática

Nesse sentido, uma igreja que quer ser igreja evangélica, igreja da Reforma, deve priorizar a Sagrada Escritura, que precisa ter destaque em tudo o que a igreja faz. Isso pode ser feito de diversas formas. Por exemplo: na liturgia, devemos ler trechos da Sagrada Escritura. Alguns documentos litúrgicos do passado prescreviam que no culto de domingo fosse providenciada a leitura de uma passagem do Antigo Testamento e de uma do Novo, e geralmente a passagem do Antigo era um salmo.

No passado, a igreja costumava ler trechos do Saltério a cada domingo. Dessa forma, ao final de três anos, quem tivesse frequentado o culto regularmente teria ouvido a leitura de todo o Livro de Salmos. Podemos escolher também alguns trechos dos evangelhos e lê-los ao longo dos meses nos cultos dominicais. Se a Bíblia é o fundamento da igreja, e se é por meio dela que a palavra apostólica e profética vem a nós para nos edificar, ela deve ser lida no culto público também.

Podemos criar espaços na igreja para lermos a Bíblia juntos, e aqui podemos e devemos ser criativos. É possível organizar, por exemplo, um encontro no sábado para que as pessoas se reúnam na igreja para um tempo de comunhão, para ler um ou dois livros juntos, com períodos de silêncio para leitura individual e reflexão. Comidas e bebidas combinam muito com esse tipo de reunião. Assim, é possível ler livros bíblicos menores como Efésios, Gálatas, Colossenses, Habacuque, Oseias, Obadias, Malaquias etc., de forma que a igreja seja exposta à Escritura, que é o fundamento da comunidade cristã e a Palavra de Deus vinda a nós.

A escola dominical, antes de ser temática, tem de ser um espaço para expor a Bíblia. Podemos montar o currículo de ensino de tal forma que a cada dois domingos um livro bíblico seja objeto de estudo. Nesses dois domingos, a ideia é que se gaste tempo tratando do tema do livro, a possível data em que foi composto, a autoria, seu esboço, os versículos principais, os textos mais difíceis, os ensinos principais. Em um período de dois a três anos, a igreja toda conseguirá ter uma compreensão bem ampla dos 66 livros que compõem o nosso texto sagrado.

Independentemente da atividade a ser desenvolvida, se queremos honrar a Reforma protestante e ser de fato evangélicos, é a Bíblia que tem de ser colocada diante das pessoas. Fico maravilhado ao ver como domingo após domingo pessoas se aproximam da igreja. E por que elas vêm? Para ser entretidas? Duvido muito! Há entretenimento muito melhor do que ficar duas horas dentro de um templo, muitas vezes sem ar-condicionado, sem conforto etc. Tenho a firme convicção de que as pessoas vêm porque têm esperança de, mesmo tateando, ouvir uma palavra de Deus para elas.

E aí entra a preocupação com o sermão: o verdadeiro sermão consiste na exposição do texto bíblico, e não podemos pedir mais, mas também não podemos esperar menos dos nossos obreiros e pastores. Não queremos ouvir suas histórias engraçadas, a última manchete do jornal ou como a Bíblia pode responder a ela. Não queremos ouvir apenas testemunhos, mas, sim, a exposição fiel do texto sagrado. Quando o pregador entende isso, para de usar ilustrações bacanas ou bonitinhas no começo do sermão para quebrar o gelo ou chamar a atenção. Quando muito, fará uma recapitulação do sermão pregado no domingo anterior ou oferecerá uma visão panorâmica do contexto da passagem bíblica, para ir a ela diretamente, sem delongas.[3]

Leia também  Qual a idade do universo? | R. C. Sproul

Domingo após domingo, as pessoas se reúnem porque querem ouvir a voz de Deus — e o pregador não é a voz de Deus; a Escritura, sim! O pregador é, no máximo, um instrumento, e aquele que honra essa função fala menos de si e deixa a Palavra falar às pessoas. Claro que suas características, personalidade e temperamento não são ignorados, mas seu alvo é que Deus fale por meio da Escritura no poder do Espírito Santo.

Os sermões, então, precisam ser expositivos, e o tempo que um pregador passa no púlpito não deve ser usado para brincar ou entreter. Como dissemos, há coisa muito melhor para fazer se nosso desejo for entretenimento. Deus escolheu a Palavra como um dos meios para vir até nós, e isso conspira contra a modernidade altamente dependente de tecnologia.[4] É muito difícil ter de competir com a enxurrada de imagens presentes em nossa cultura, mas Deus, em sua infinita graça e misericórdia, resolveu destacar a exposição de sua Palavra como meio de vida para nós.

Os reformadores destacaram bastante a afirmação de que “a fé vem pelo ouvir, e o ouvir, pela palavra de Cristo” (Rm 10.17). Nada mais e nada menos. O único órgão ativo, por assim dizer, para a nossa salvação é o ouvido. Como Lutero disse: “Se você perguntar a um cristão qual é sua tarefa e por que ele é digno do nome cristão, não pode haver nenhuma outra resposta senão que ele ouve a Palavra de Deus, isto é, a fé. Os ouvidos são os únicos órgãos do cristão”.24 Respondemos à obra de Deus por sermos atraídos pela graça e ouvimos a Palavra; e dessa forma somos movidos a ter fé e a descansar em Deus.

A Escritura, assim, é central para o povo de Deus. Ela é o fundamento da igreja cristã; a igreja, por assim dizer, é assentada na Escritura e em sua mensagem profética e apostólica.

 


Notas

[1] O campo semântico de Efésios 4.11 é o do ensino. Portanto, de apóstolos a pastores-mestres devemos considerar justamente esse contexto. Desse modo, o termo “mestres” qualifica o pastorado em questão e, de certo modo, delimita qual a verdadeira ênfase do ministério pastoral.

[2] Devo esta sugestão a Paulo César Campos Lopes do Valle, professor de grego, hermenêutica e exposição bíblica do Novo Testamento no Seminário Martin Bucer.

[3] 22 Sobre o desenvolvimento desse parágrafo, cf. Karl Barth, Homiletics (Louisville: Westminster/John Knox Press, 1991). Sobre a pregação durante a Reforma, cf. Timothy George, Lendo as Escrituras com os reformadores, p. 181-201.

[4] Há dois outros “meios de graça”, o batismo e a ceia do Senhor, que junto com a pregação da Palavra de Deus eram considerados pelos reformadores marcas da igreja verdadeira: “Sempre haverá e permanecerá uma única santa igreja cristã, que é a congregação de todos os crentes, entre os quais o evangelho é pregado puramente e os santos sacramentos são administrados de acordo com o evangelho”. Cf. “Confissão de Augsburgo”, artigo VII, in: Livro de concórdia, p. 31. Para os luteranos, o batismo é o meio pelo qual Deus oferece a graça salvadora e a remissão dos pecados aos membros da igreja. São batizados os adultos, que vieram a crer em Cristo, e as crianças, filhos de pais cristãos, que assim têm removidas de si a mancha do pecado original. Para os reformados, o batismo é sinal e selo da aliança da graça, que dá ao fiel a certeza das promessas de Deus, sendo esse rito o meio de iniciação da aliança, assim como o sinal da salvação. Os adultos que creem devem ser batizados, assim como os filhos de pais cristãos, por serem herdeiros da aliança. Na concepção luterana da ceia, a transubstanciação é negada, mas o corpo de Cristo está presente “em, com e sob” o pão e o vinho. Tem-se o corpo e o sangue, com o pão e o vinho. Pela participação no sacramento, o fiel recebe o perdão dos pecados e a confirmação na fé, e isso se deve à recepção da Palavra com fé. Os fiéis recebem, por outro lado, um benefício espiritual que, de outra forma, não poderiam experimentar. A concepção reformada de ceia ensina que, nela, Cristo é verdadeiramente partilhado quando o participante se aproxima com fé genuína, com uma ênfase nos aspectos espirituais e místicos da comunhão com Cristo por meio do Espírito Santo. Em outras palavras, pelo Espírito, a igreja é elevada às alturas na ceia, a fim de experimentar comunhão com o Senhor glorificado e ter nutrida sua fé.


Trecho extraído e adaptado da obra “Pilares da fé“, de Franklin Ferreira, publicada por Vida Nova: São Paulo, 2017, p. 59-64.  Publicado no site Cruciforme com permissão.

Franklin Ferreira é doutor em Divindade pelo Puritan Reformed Theological Seminary, mestre em Teologia pelo Seminário Teológico Batista do Sul do Brasil e bacharel em Teologia pela Universidade Presbiteriana Mackenzie. É diretor e professor de Teologia Sistemática e História da Igreja no Seminário Martin Bucer, em São José dos Campos, SP, e consultor acadêmico de Edições Vida Nova. Escreveu vários livros, entre eles: Avivamento para a igreja, Contra a idolatria do Estado, A igreja cristã na história, Pilares da fé, Teologia sistemática (em coautoria com Alan Myatt), Teologia sistemática (Curso Vida Nova de Teologia Básica) e Por amor de Sião, publicados por Vida Nova.
Esta obra apresenta os temas mais importantes que foram redescobertos pela Reforma protestante do século 16: Sola Scriptura, Solus Christus, Sola gratia, Sola fide e Soli Deo gloria.

Deus se revela de forma salvífica somente na Escritura Sagrada, pecadores são redimidos somente pela morte de Jesus Cristo na cruz, somente por meio da graça, uma dádiva recebida somente pela fé e tudo para a glória de Deus somente.

Em Pilares da fé, cada uma das cinco declarações acima é desenvolvida com base no ensino das Escrituras Sagradas, dialogando com os principais reformadores da época — Martinho Lutero e João Calvino — e com as principais confissões de fé e catecismos das tradições luterana e reformada surgidas no mesmo período, as quais resumem o ensino dos reformadores. Essas afirmações também são relacionadas com as situações e desafios que a igreja cristã enfrenta na atualidade.

Publicado por Vida Nova.

2 Comments

  1. Anderson Silva disse:

    Professor Franklin Ferreira uma mente brilhante para as trevas que enfrentamos atualmente,Deus o conserve assim!

  2. Antonio Oliveira disse:

    Excelente esse texto sobre A centralidade da Escritura | Franklin Ferreira

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: