Gilead: os desafios que todo pastor enfrenta | Philip Ryken

Foto de Ben White em Unsplash

Uma das realizações extraordinárias de Marilynne Robinson em Gilead é estabelecer, como mulher, uma voz narrativa plausível para um homem. Além disso, como leiga, ela consegue captar com notável autenticidade a vida interior de um homem que serve no ministério pastoral.

O reverendo Ames é honesto sobre os desafios do ministério, que são familiares a qualquer pastor. Ele reclama das reuniões da igreja (“só umas poucas pessoas presentes, e não se tirou absolutamente nada de concreto”). Ele confessa como é difícil amar suas ovelhas (“Depois de um tempo, cheguei a me perguntar se gostava mais da igreja quando não havia ninguém nela”).

Ao mesmo tempo, Ames sabe que seus paroquianos o tratam de maneira diferente, conferindo-lhe mais respeito do que merece ─ uma “imaginação benevolente” que é difícil para ele desiludir. Ele também lamenta a abordagem implacável do sermão da próxima semana (“parece que é domingo o tempo todo, ou, então, sábado à noite. Mal acabamos de nos preparar para uma semana, já estamos na semana seguinte”).

A diferença que um ministro faz

Com esses desafios inevitáveis ​​surgem muitas oportunidades para o ministério pessoal. As mesmas pessoas que de repente mudam de assunto quando veem o ministro chegando, diz Ames, “vêm ao nosso escritório e contam as histórias mais incríveis” ─ muito medo, muita culpa, e tanta solidão que estão sob a superfície da vida.

Em cada encontro pastoral, Ames procura discernir o que o Senhor lhe pede “nesse momento, nessa situação”. Mesmo que ele tenha que lidar com alguém difícil, essa pessoa é “um emissário enviado pelo Senhor”, que lhe dá “uma chance de mostrar que, em algum nível, por menor que seja, participo efetivamente da graça que me salvou”.

Ao longo de uma vida inteira no ministério, atendendo a uma ampla gama de necessidades espirituais, o reverendo Ames aprendeu que tentar provar a existência de Deus é uma estratégia ineficaz para lidar com a dúvida espiritual. “Não se pode dizer nenhuma verdade sobre Deus a partir de uma postura defensiva”, acredita ele. De fato, “a tentativa de defender uma crença pode, na verdade, acabar por abalá-la, pois há sempre uma inadequação em argumentar a respeito das coisas últimas”.

Ele também aprendeu a responder às perguntas que as pessoas têm pensado sobre o tormento do inferno, que ele acredita ser caracterizado pela Bíblia principalmente como separação de Deus: “Se quiserem se informar sobre a natureza do inferno, não tentem segurar com a mão a chama de uma vela; apenas reflitam sobre o ponto mais cruel, mais desolado da sua própria alma”.

Leia também  Flannery O'Connor e a violência da graça | Rachel Watson

Ames também aprendeu o valor da amizade para o ministério. Ele é privilegiado por ter Robert Boughton como seu amigo mais antigo e querido e colega mais próximo no ministério. Tendo crescido juntos em Gilead, os dois homens agora servem como pastores das principais igrejas da cidade. Eles não trabalham isoladamente, mas compartilham ideias, discutem seus sermões e oram pelas famílias uns dos outros.

Para reflexão ou discussão: Quais são os desafios mais difíceis que você enfrenta ao servir a Deus na igreja? Quais são as lições mais importantes que você aprendeu sobre o ministério – as primeiras lições que você transmitiria para alguém que está apenas começando? Quais são as perguntas mais comuns que as pessoas fazem sobre Deus? Como você aprendeu a respondê-las, ou a não respondê-las? Que padrões de relacionamento e responsabilidade apoiam seu ministério? Quais relacionamentos você ainda precisa estabelecer?

Traduzido e revisado por Jonathan Silveira.

Texto original: The Challenges Every Pastor Faces. The Gospel Coalition.

Philip Ryken é doutor em teologia histórica pela Universidade de Oxford e presidente do Wheaton College Seminary. Foi pastor da igreja Tenth Presbyterian Church, na Filadélfia, e escreveu mais de cinquenta livros, como "As doutrinas da graça", "Rei Salomão: as tentações do dinheiro, sexo e poder" e "Amar como Jesus ama", publicados por Vida Nova.
Gilead é o segundo romance de uma das mais brilhantes autoras americanas contemporâneas, que compõe com sua escrita um bordado ao mesmo tempo sutil e avassalador — certamente um desafio a uma tradução tão primorosa como essa, de Maria Helena Rouanet.

Esse livro é uma declaração de amor incondicional à vida, mesmo assombrada por Deus e um lamento por sua brevidade. Aclamado pela crítica e pelo público, foi o vencedor do Pulitzer de 2005.

Gilead foi acalentado pela autora e aguardado por seus leitores durante 24 anos. Tem, em suas páginas, a dimensão de obra que atingiu a maturidade plena e nos conduz à nossa própria plenitude.

Publicado por Vida Nova.

Veja também os demais artigos da série:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *